18 de nov de 2009

Quando estou sem tempo aproveito-o...

 Contrários do Rumo


O fogo que em mim arde envereda nas entranhas mais inacessíveis dos meus sentidos. Ora não sei se continuo, mas me ocorre subitamente a certeza do obsoleto e me torno no imortal homem que zomba dos possiveis ataques mortais que ora arrebata restos meus apodrecidos...
Navego na mansidão irreparável do desequilibrado sujeito que roga por tonturas minhas. Ofusco-me na veracidade provadamente uma falsa identidade penetrando em meus ensurdecidos sentidos ócios. Vago na solidão e percebo-me sobrepujado pelos errados acertos da vida ousada e limitada.
Não me será, nem ao sujeito, surpresa uma próxima...

Por Tatá às 18:00hs

Nenhum comentário: