6 de abr de 2011

"EXISTE EX-MULHER, EX-NAMORADA. PORÉM, EX-FILHO NÃO!"

A frase acima foi dita a um pai por uma educadora. O mesmo já não vive mais com a mãe de seu filho, porém é tido como uma referência na visão do mesmo. Tendo isso em vista, a educadora procurou-o solicitando que tivesse uma conversa com seu filho, fornecesse um auxílo/apoio em sua educação. Pois sua mãe não estava encontrando forças sozinha, uma vez que a mesma tem mais filhos e cuida como mãe e "pai". Enfim, a educadora foi surpreendida com a reação do pai afirmando que já dava a pensão e não tinha nenhuma outra responsabilidade a mais com sua "criação". A professora então persistiu, tentando conscientizá-lo chegando a afirmar a frase que usei como título dessa postagem de indignação também por parte do administrador deste blog. Eis: "Existe ex-mulher, ex-namorada. Porém, ex-filho não!" Brutalidade, ignorância de seus deveres ou falta de personalidade para enfrentar a opinião da nova família constituída? Enfim, que essa reflexão sirva de exemplo para casos do tipo, pois não está restrito a esta situação ocorrida em Timonha. A este pai e outros mais da vida, independentemente de está ou não mais com a família, o recado mais essencial deste artigo: muito mais que sua mísera pensão, o mais importante é dá amor, proteção, criar condições que propiciem segurança física e psicológica para o desenvolvimento intelectual pleno, promover condições no entorno familiar que permitam o desenvolvimento do equilíbrio e da inteligência emocional, subsidiar e promover vivências concretas que possibilitem o caminhar para a independência financeira, zelar pela saúde física e mental, dá valores éticos e torná-lo um homem independente e com caráter. Está presente, dá a mão!

Um comentário:

Miquelinne... disse...

Comovente e revoltanta...Do que vale uma "pensãozinha" mensal perto do amor paternal necessário para a formação de um individuo??

realmente, cada dia que se passa, perdemos os valores! ):